You are here

Uma ligação urbano-rural para integrar a alimentação em todas as políticas

Edited on

22 May 2020
Read time: 3 minutes

O crescimento exponencial da população mundial e o seu caráter predominantemente urbano são características do nosso mundo moderno. Como vamos alimentar esta população maioritariamente urbana?

A abordagem “sitópica”, desenvolvida por Carolyn Steel, pode ser uma forma de evitar um futuro agrícola distópico. A FOOD CORRIDORS usa estas ideias de fluxos existentes em torno da cadeia alimentar, do território, dos recursos e das partes envolvidas, numa área funcional.

Sitopia” resulta de uma combinação dos termos gregos sitos (alimento) e topos (lugar). A reterritorialização dos sistemas alimentares envolve a revitalização e o reforço da ligação local do rural com o urbano, independentemente de estarem ou não associados a determinadas infraestruturas espaciais ou a estruturas administrativas formalmente organizadas.

Dada a natureza transversal das necessidades da sociedade, os problemas e impactos associados à produção alimentar, ao transporte, ao consumo e à gestão de resíduos exigem naturalmente a integração de uma política alimentar em todas as outras políticas (FIAP).

FOOD CORRIDORS

A FOOD CORRIDORS é uma iniciativa que procura explorar os pontos fortes e as oportunidades desta relação urbano-rural, potencializando esta base territorial através da articulação de políticas horizontais e verticais.

A FOOD CORRIDORS está localizada em oito países europeus. Quatro dos parceiros da rede têm uma estrutura intermunicipal. A CIM Região de Coimbra, Parceira Líder do projeto, é constituída por 19 municípios portugueses que partilham a preocupação com a retração de cidades/territórios, sendo objetivo desta CIM facilitar, através de vários projetos no âmbito de contratos públicos e outras estratégias, a transição local de uma economia linear para uma economia circular.

A Unione dei Comuni della Bassa Romagna é um agrupamento de 9 municípios italianos que, no âmbito da FOOD CORRIDORS, propõem criar uma visão de alimentação sustentável integral, com especial atenção ao crescimento do seu setor produtivo de um modo inclusivo e inovador. A gastronomia, a paisagem e o turismo foram identificados como elementos unificadores, em torno dos quais podem promover a sua marca de identidade territorial.

Na região eslovena de Gorenjsk, onde vivem mais de 200 000 habitantes, a Agência de Desenvolvimento Regional (BSC KRANJ) está a executar um programa territorial em que a alimentação e o desenvolvimento rural constituem as prioridades. Através da FOOD CORRIDORS, aspiram a dinamizar a cadeia de valor, promovendo a integração entre as partes envolvidas, a participação dos cidadãos e as ligações com outros setores.

 

O quarto parceiro supramunicipal é a Tartu County Development Association (TAS) na Estónia, cuja região alberga mais de 150 000 habitantes, dos quais 93 000 vivem na cidade de Tartu. Esta cidade conta já com um setor gastronómico muito dinâmico, pretendendo a TAS dar-lhe um enfoque regional, considerando a promoção da saúde, a criação de experiências, a inovação e a criatividade como fundamentais para esta nova estratégia regional.

Córdova (Espanha) e Larissa (Grécia) são duas cidades de média dimensão ligadas a um poderosíssimo setor agroalimentar.

Córdova tem como objetivo promover, no âmbito da FOOD CORRIDORS, um sistema alimentar saudável e sustentável, a fim de reforçar os benefícios obtidos com as recentes ações levadas a cabo através da iniciativa "Alimentar Córdova". A cidade é signatária do Milano Urban Food Policy Pact (MUFPP), apoiando o comércio local de alimentos através de sete mercados municipais, um mercado grossista e uma rede de lojas locais competitivas.

Larissa está situada no centro da Tessália, a principal região produtora de alimentos do país, e enfrenta um importante desafio que passa por encontrar forma de dinamizar a ligação entre os setores primário e terciário do município, bem como por integrar as políticas alimentar e ambiental no contexto das novas dinâmicas e funcionalidades urbanas do território. A FOOD CORRIDORS é parte da sua resposta a este desafio.

Alba Iulia (Roménia), tal como Larissa, já participou anteriormente em projetos URBACT e procura reorientar o seu sistema alimentar local para um modelo mais sustentável. Para o efeito, a cidade pretende levar a cabo uma estratégia inteligente que integre partes interessadas de diferentes perfis e estimule o consumo de alimentos locais no âmbito de um destino gastronómico e turístico.

Finalmente, Szecseny é um pequeno município localizado no condado de Nograd (Hungria) que tem vindo a desenvolver esforços para elaborar planos locais com o apoio de pequenos investidores externos. As iniciativas em curso conduziram à criação de uma pequena fábrica de produção de sumos de fruta, tendo sido igualmente criado um programa de fornecimento de alimentos locais à cantina escolar. Através da sua participação na FOOD CORRIDORS, o município pretende gerar um modelo de aprendizagem destinado a definir estratégias eficazes para a implementação de circuitos curtos de abastecimento alimentar.

O MENU DA FOOD CORRIDORS

A FOOD CORRIDORS está a criar um quadro em torno dos temas que podem sustentar estratégias alimentares territoriais, como evidenciado pelas experiências da FAO, da MUFPP e de outras instituições.

O mapa temático da FOOD CORRIDORS, inicialmente distribuído em torno de sete temas-chave divididos em cerca de trinta subtemas, foi apresentado aos parceiros da rede na reunião de kick-off, realizada em Coimbra nos dias 30 de setembro e 1 de outubro, tendo os parceiros sido convidados a preparar o menu inicial do projeto. Na sequência deste exercício, foi identificada e ordenada por ordem decrescente de importância, pelos parceiros, uma primeira seleção de temas prioritários:

  1. Cultura e marcas de alimentos do território
  2. Políticas alimentares
  3. Circuitos curtos de abastecimento alimentar
  4. Alimentação e economia circular
  5. Recursos ambientais
  6. Sistemas alimentares saudáveis
  7. Governança

Este conjunto de temas será aprofundado durante a Fase 2 do projeto.

Serão também aproveitadas algumas oportunidades externas. Um bom exemplo disso é a celebração das Regiões Europeias de Gastronomia em 2021, à qual estão ligados dois parceiros da FOOD CORRIDORS, em dois países europeus (Portugal e Eslovénia), acreditando-se que esta oportunidade poderá impulsionar a interação entre as regiões europeias dentro e fora do projeto.

Alguns dos parceiros da FOOD CORRIDORS podem também beneficiar do desenvolvimento de pequenas ações-piloto.

Toda a rede pode igualmente tirar partido dos conhecimentos gerados noutros projetos europeus que trabalham sobre o mesmo tema e com abordagens semelhantes à proposta pela FOOD CORRIDORS, como a REFRAME e a ROBUST.

O espaço da FOOD CORRIDORS está agora aberto, a mesa preparada e os aperitivos servidos. Convidamo-lo a preparar-se para a continuação do menu.

Texto da autoria de Antonio Zafra, apresentado a 2 de fevereiro de 2020.