Geolocation
POINT (-8.224454 39.399872)
  • Shift - Switch - Go

    The project aims to promote change through innovative approaches to inclusive urban and social development in Social Housing focusing on building resilience in communities and linking people with their local assets, through a participatory approach that allows engaging the public and adapting the measures to the real needs and aspirations of the residents in social housing. At the heart of this approach we find the principle that the physical, human and financial assets of a place can be leveraged for social cohesion and local economic benefit and it is in identifying and developing bridging relationships amongst such assets and anchor institutions to realise their local and social potential. The involvement between residents of social housing, managing entity, local partners and communities is essential for the development of the entire territory, in an inclusive and cohesive way, leaving no one behind. By taking advantage of the existing networks in each community we can expand the value of all. With this partnership we intend to work collaboratively with other cities that want to reduce the stigma of the population living in social housing and build a common life project.

    Sofia Morais
    Gaiurb - Urbanismo e Habitação, E.M.
    303000
    0
    Are you a candidate Lead Partner looking for partners
    Yes
    Are you a potential Partner looking for a Lead Partner
    Yes
    Your job title
    Coordinator
    Institution website
    www.gaiurb.pt
    Social inclusion
  • Effects of industrial agriculture practices in urban centers

    In Serpa, as in most municipalities in the Alentejo region, as a result of the Alqueva Multipurpose Project (EMFA), more and more areas, that border with urban centres, have been converted to super-intensive agriculture. These agricultural practices are based on a high-yield monoculture with intense use of agrochemicals (fertilizers, herbicides and pesticides) generate negative environmental impacts, lead to loss of biodiversity, water, soil and air pollution, with a increased danger to public health, with allergenic and carcinogenic potential.
    The proximity of these farms to urban centers is generating anxiety and fear among the urban population regarding the impacts that these practices may have on cities health and quality of life.
    It is necessary to measure and evaluate the risks resulting from the impact of these practices in different areas of the urban structure, the perception of citizens and possible repercussions on urban mobility, as well as the adoption of policies and measures capables of mitigating these effects.

    Carlos Manuel Castelhano Janeiro
    Câmara Municipal de Serpa
    5595
    0
    Are you a candidate Lead Partner looking for partners
    Yes
    Are you a potential Partner looking for a Lead Partner
    Yes
    Your job title
    Senior Technician
    Institution website
    www.cm-serpa.pt
    Green transition
  • New mobility solutions to promote a more connected and greener Europe

    The ongoing EU cohesion policy focus on actions to promote a more connected Europe by improving mobility. Different solutions, either physical or digital, are being adopted in order to better connect citizens and public services, in a way those can be more accessible to all citizens, especially in contexts of more isolated areas and the needed links to urban centres.

     

    The challenge is also to promote public participation and citizen based proposals to get new and sustainable mobility solutions regarding different mobility needs, like school attendance, health cares or cultural access, for example.

     

    With the network we would like to stress out different action ideas in the field, promote local discussions and design a collaborative action plan in order to test and promote greener and innovative mobility solutions in a local or intermunicipal context.          

     

    Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT) is a public regional body, working for a territory that includes 13 municipalities in the Centre region of Portugal and almost 230.000 inhabitants. The organization works in different competence areas, going from the management of EU structural and investment funds, till other regional initiatives concerning economic development, environment, transports, IT, tourism, training, education, cultural and natural heritage, museums and public libraries, social issues, equality and no discrimination policies, or sports.

     

    Mobility is a key area in the region as Médio Tejo is developing different actions, where “Transporte a pedido” (Transport on demand), running since 2013 and awarded as a Regiostar project in 2021, is just an example.

    Jorge Salgado Simões
    Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo
    230000
    0
    Are you a candidate Lead Partner looking for partners
    Yes
    Are you a potential Partner looking for a Lead Partner
    Yes
    Your job title
    Intermunicipal Secretary
    Institution website
    mediotejo.pt
    Green transition
  • URBACT Infoday Portugal 2023

    O Infoday será dedicado ao concurso para Redes de Planeamento de Ação, lançado no dia 9 de janeiro e aberto até ao dia 31 de março, para apresentação de candidaturas de redes constituídas por 8 a 10 cidades europeias – municípios, empresas municipais, entidades intermunicipais ou regionais – de diferentes países europeus.

     

    Cada rede deverá apresentar-se associada a um desafio ou tema urbano comum que seja relevante para o conjunto de cidades parceiras. Valoriza-se o alinhamento temático com três prioridades europeias transversais: transição digital, transição verde e inclusão na perspetiva do género.

     

    Este é o primeiro concurso no âmbito do URBACT IV, programa europeu que visa promover o desenvolvimento urbano sustentável e que conta com uma dotação de cerca de 80 milhões de euros de fundos europeus para o período 2021-2027.

     

    São convidadas a participar neste Infoday todas as partes interessadas, em particular autoridades locais, municípios, entidades intermunicipais ou regionais e entidades especializadas em desenvolvimento.

     

     

    Agenda previsional

     

    14:00                   Receção aos participantes

     

    14:30                  Abertura

    Exibição - Projeto URBACT, Amadora

    Presidente da CM da Amadora

    Diretora-Geral do Território (a confirmar)

     

    14:50                   O Programa URBACT IV

    Direção-Geral do Território – Ponto URBACT Nacional

     

    15:05                   Redes de Planeamento de Ação URBACT

    Casos de sucesso

    Perguntas e Respostas

     

    15:40                   Experiências da Amadora em iniciativas urbanas europeias

    CM da Amadora

     

    15:55                   Pausa para café

     

    16:15                   Novo concurso para Redes de Planeamento de Ação

    Termos de referência | Ponto URBACT Nacional

    Como apresentar uma boa candidatura | Parceiro URBACT

    Como encontrar parceiros | Parceiro URBACT

    Perguntas e Respostas

     

    17:30                   Mensagem da Secretária de Estado do Desenvolvimento Regional

     

     

    Local: Auditório dos Recreios da Amadora, Av. Santos Mattos, n.º 2

    Venteira - 2700-748 Amadora

     

    Portugal

    No dia 2 de fevereiro, a Direção-Geral do território, através do Ponto URBACT Nacional, em parceria com a Câmara Municipal da Amadora, promove o URBACT Infoday Portugal 2023, que terá lugar no Auditório dos Recreios da Amadora, Av. Santos Mattos, n.º 2, na Amadora, pelas 14h30.

    Share on FacebookShare on TwitterShare on LinkedIn
    Amadora
    Off
    Open to a wider public
  • Intergenerational Rooms

    European cities currently have a very serious problem of availability and stock of affordable housing. This enormous constraint is particularly felt by the younger generations and particularly by university students, a decisive group for urban, cultural and knowledge dynamism and vitality. The stock of rooms provided by the university residences has been increasingly manifestly insufficient for the growing needs. Especially in cities with little stock in these areas, which are now heavily pressured in terms of real estate and rent values - either for entire houses or rooms. On the other hand, and mainly due to sociodemographic factors, the current cities are full of houses with people living alone, many with empty rooms, in central places and of significant urban quality. The idea of this project is to combine, in an active and virtuous way, different types of needs: housing needs for university students; more social needs for older people - including possible financial support for room rent; and population re-densification of the most central urban areas. And at the same time, promoting an urban policy of greater proximity and interconnection between generations. It is proposed the establishment, in each city, of a collaborative network constituted by the municipal council, the district districts, the universities and different types of social action associations.

    João Seixas
    Universidade Nova de Lisboa
    2900000
    0
    Are you a candidate Lead Partner looking for partners
    Yes
    Are you a potential Partner looking for a Lead Partner
    Yes
    Your job title
    University Professor and Pro-Rector
    Institution website
    https://www.unl.pt/
    Social inclusion
  • Por cinco vezes o URBACT conduziu a mudança para cidades melhores

    Share on FacebookShare on TwitterShare on LinkedIn
    04/01/2023

     

    Olhamos com gosto para o ano atarefado que passou. Apanhe a nossa boleia e reviva 2022!

     

    Lembre-se de tudo o que passámos e do que ainda está por vir. Dos acontecimentos aos êxitos, certifique-se de que não perdeu nada este ano.

    From urbact
    Off

    O URBACT City Festival regressou – e presencialmente!

     

    City Festival

     

    Depois da edição online em 2021, no ano seguinte o nosso evento emblemático teve o seu grande regresso. No passado mês de junho, sob o tempo solarengo – e muito estival – de Pantin /Grande Região de Paris, mais de 480 participantes de toda a Europa juntaram-se para partilhar ideias e inspirar-se uns aos outros. Esta edição do City Festival foi particularmente única, visto que ter sido o nosso primeiro evento neutro em carbono. A escolha em seguir uma opção mais amiga do ambiente veio da Presidência Francesa da União Europeia, mas também da vontade do URBACT de organizar exclusivamente eventos neutros em emissões de carbono de agora em diante.

    O City Festival de 2022 também teve um atrativo simbólico. Marcou dois momentos fundamentais do ano: o primeiro foi o final da última ronda das Redes de Planeamento de Ação do URBACT III (2019-2022); o segundo foi o lançamento do seguinte período de programação, o URBACT IV (2021-2027). Ambos os aspetos enriqueceram a celebração e os conteúdos do evento de três dias. Motivaram discussões em torno de questões temáticas, enquanto mostravam como o – futuro – panorama europeu pode criar um ambiente potenciador para as cidades liderarem a mudança.

     

    Com o início do novo capítulo chegou o fim do URBACT III

     

    A edição passada do programa URBACT (2014-2020) financiou 83 projetos, compostos por redes de cidades. No total, 678 cidades parceiras de 27 países beneficiaram do Método URBACT. Com uma jornada de aprendizagem e de intercâmbio feita à medida, apoio especializado e oportunidades de capacitação, as cidades beneficiárias codesenvolveram visões de longo prazo e criaram as suas próprias boas práticas ao longo do percurso. Através de uma abordagem bottom-up e baseada na prática, as suas histórias de sucesso – e também de insucesso – são contadas através de artigos, produtos finais e em outras ocasiões de partilha de conhecimento. A reta final deste período de programação também deixou algum espaço para a experimentação: quatro redes e iniciativas piloto decorreram até ao final de dezembro, financiadas pelo orçamento do URBACT III.

    Partindo da experiência das Redes de Transferência com as cidades a compreenderem, adaptarem e reutilizarem Boas Práticas URBACT, 54 cidades recém-chegadas – de um total de 91 cidades envolvidas – tiveram a oportunidade de transferir ideias e projetos para os seus próprios contextos locais. Sete Boas Práticas originais que lideraram redes anteriores foram convidadas a repetir a sua experiência com uma nova ronda de parceiros. Simultaneamente, cinco parceiros das Redes de Transferência tiveram também a oportunidade de partilhar a sua "receita secreta”, no âmbito de uma iniciativa nacional, com outras cidades transfronteiriças ou vizinhas.

    Finalmente, cinco projetos concluídos das Urban Innovative Actions foram selecionados para testar o processo de transferência URBACT com um pequeno número de cidades parceiras.

    Outro projeto piloto terminou as suas atividades em 2022: a rede Global Goals for Cities. Este projeto piloto segue a estrutura de uma Rede de Planeamento de Ação, mas com a introdução de algumas novidades. Com o apoio do CEMR (Conselho dos Municípios e Regiões da Europa) e a utilização da ferramenta Reference Framework for Sustainable Cities (RFSC), 19 cidades parceiras tiveram a função central de desenvolver os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas. Todos estes projetos irão alimentar o período de programação seguinte e a experiência de cada parceiro é prova do que as futuras cidades URBACT poderão alcançar, mesmo com redes de curta duração.

     

    A URBACT e-University trouxe o financiamento para a ponta dos seus dedos

     

    Financiamentos

     

    As URBACT Universities são parte essencial das nossas diversas ofertas de capacitação que reforçam a reputação do programa para melhorar competências. No que respeita à consolidação das capacidades dos agentes urbanos, o URBACT tem as ferramentas e os conteúdos adequados para apoiar as cidades ao longo do ciclo de planeamento-ação, enquanto estabeleceu medidas participativas e integradas. A e-University de 2022 não foi diferente. O evento de três dias centrou-se nos passos necessários para uma cidade implementar estratégias sustentáveis com sucesso e assegurar fundos para as respetivas ações.

    Embora a e-University fosse exclusivamente para os beneficiários URBACT, todos os conteúdos relacionados foram disponibilizados a uma audiência mais vasta através da Caixa de Ferramentas URBACT. Aí, os entusiastas das questões urbanas podem encontrar uma profusão de orientações e modelos para ajudar as cidades a acederem a oportunidades de financiamento. Estas ferramentas foram desenvolvidas durante o ano como resposta a uma procura popular: compreender como é que os planos de ação e as estratégias podem tornar-se realidade. As orientações relativas aos recursos e ao financiamento não se tornarão obsoletas nos próximos tempos. Este material será particularmente útil para as autoridades locais, por toda a UE, que desejem embarcar em novos projetos nos próximos anos (2021-2027).

     

    A igualdade de género provou – mais uma vez – estar no centro de uma transição justa

     

    As questões de género são um aspeto vital a ter em consideração na criação de cidades e comunidades prósperas. É um tópico transversal que abarca muitas mais questões urbanas do que se poderia esperar, pelo que não é com surpresa que vemos as #GenderEqualCities como uma das prioridades chave do URBACT IV – junto com as transições digital e verde. Por um lado, pretendemos continuar a privilegiar este tema ao nível do programa; por outro lado, iremos encorajar as cidades beneficiárias a explorarem ações relacionadas com o tema ao nível local.

    Para suprir a necessidade de medidas mais concretas para as autoridades locais se inspirarem, ao longo de 2022 disponibilizámos uma série de produtos. Em primeiro lugar, foi publicada uma nova versão do relatório de políticas Gender Equal Cities, com novos casos e exemplos – o relatório original tinha sido lançado em maio de 2019. O programa também lançou quatro novos módulos de formação para ajudar as cidades europeias a implementarem iniciativas de contratação pública que tenham em conta as questões de género (gender-responsive public procurement - GRPP). Em conjunto com o Instituto Europeu para a Igualdade de Género (EIGE), o URBACT adicionou ao seu Curso Online para a Contratação Pública Estratégica seis vídeos de fácil compreensão, incluindo dois casos de estudo de Viena (AT) e do País Basco (ES).

     

    Por último, mas não menos importante, começámos a preparar-nos para a próxima chamada para redes!

     

    U starts

     

    Estamos mais perto do que nunca do lançamento da próxima chamada para Redes de Planeamento de Ação a 9 de janeiro de 2023. Em diferentes ocasiões ao longo do ano, apresentámos a chamada: no City Festival, na European Week for Regions and Cities, entre outros eventos. Não conseguiu assistir? Ainda poderá saber tudo sobre a chamada assistindo à gravação aqui. Para além do mais, desde outubro que os municípios, as instituições, as áreas metropolitanas e as autoridades locais começaram a procurar potenciais parceiros.

     

    J[U]nte-se ao URBACT, que começa consigo, partilhe as suas ideias e procure outras propostas na Ferramenta de Procura de Parceiros (Partner Search Tool)!

     

    Anseia por 2023? Guarde as datas para participar nos webinars do Secretariado URBACT sobre a chamada para Redes de Planeamento de  Ação:

     

    APN      

          17 de janeiro, das 10.00 às 11.00 CET: Introdução à chamada

          19 de janeiro, das 10.00 às 11.00 CET: Construir uma parceria forte

          7 de fevereiro, das 10.00 às 11.00 CET: Jornada de intercâmbio e aprendizagem

          7 de março, das 10.00 às 11.00 CET: Submeter uma candidatura

     

     

    Submetido por URBACT a 19/12/2022

  • Resourceful Cities

    LEAD PARTNER : The Hague - Netherlands
    • Mechelen - Belgium
    • Patras - Greece
    • Ciudad Real - Spain
    • Zagreb - Croatia
    • Oslo - Norway
    • Vila Nova de Famalicao - Portugal
    • Bucharest 3rd district - Romania
    • Cáceres - Spain
    • Opole - Poland

    Timeline

    • Phase 1: Kick-Off Meeting 1, The Hague 3-4 Oct 2019

     

    • Phase 1: Kick-Off Meeting 2, Mechelen 12-14 Feb 2020
    • Phase 2: Kick-Off Transnational meeting 1, online 7-8 Jul 2020
    • Phase 2: City-to-City Session *Scoping the eco system* 9 Sep 2020
    • URBACT e-University 15 Sep - 8 Oct 2020
    • Transnational meeting 2 *Stimulating Collaboration* 25-26 Nov 2020
    • City-to-City Session *Scaling up local circular economy* 14 Dec 2020
    • Transnational meeting 3 *The role of the city* 27-28 Jan 2021
    • City-to-City Session *Circular Economy and territorial food systems* 18 Feb 2021
    • Transnational meeting 4 *Education, Awareness & Engagement* 30-31 March 2021
    • Transnational meeting 5 *Funding, Monitoring & Risk Assessment * 29-30 June 2021

    RESOURCEFUL CITIES is an URBACT Action Planning Network of ten European cities. This project seeks to develop the next generation of urban resource centres, so they can serve as catalysts of the local circular economy, by adopting a participative and integrated approach. The resource centres strive to promote the positive economic, environmental and social impacts, notably for the circular economy. Thus, the network facilitates waste prevention, reuse, repair and recycling. The centres also work as connection points for citizens, new businesses, researchers and the public sector to co-create new ways to close resource loops at the local level. By bringing together interested actors to work alongside, the goal is to promote the change of values and mindset.

    Spaces for circular co-creation & action
  • Poderá a Europa ser sustentável até 2030? Só se as cidades liderarem o caminho

    Share on FacebookShare on TwitterShare on LinkedIn
    21/12/2022

    Faça uma viagem pela memória connosco. Redescubra histórias e reflexões que reunimos nos últimos anos.

    From urbact
    Off

     

    Este artigo foi publicado pela primeira vez em 2019 e, no entanto, afigura-se mais pertinente do que nunca.

     

    Em 2019 a Comissão Europeia publicou um documento de reflexão há muito aguardado, definindo  a estratégia da UE para enfrentar duas das maiores ameaças do nosso tempo: a pobreza e as alterações climáticas. Foram necessários três anos para a elaboração deste documento, que confirma o compromisso da União para a construção de uma economia sustentável até 2030. Recorrendo aos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) da ONU, o relatório identifica várias áreas em que se deve investir. A economia circular, a digitalização e a mobilidade verde são todas apontadas como as principais prioridades que devem ser integradas num “plano de gestão da crise global” mais amplo. Como o documento deixa claro, tal plano não se refere apenas à prevenção de catástrofes, mas também à melhoria da qualidade de vida de todos os seres vivos.

     

     No entanto, à medida que a urgência de combater a destruição ambiental se torna cada vez mais evidente, com estudos  que revelam  a  escala  da  destruição da biodiversidade, muitos criticam a comissão por não ter ido suficientemente longe. Das greves escolares, aos protestos da Extinction Rebellion (Rebelião contra a Extinção), às propostas para um novo pacto ecológico, os cidadãos de todo o mundo exigem um roteiro para a mudança baseado em medidas concretas. Infelizmente, o relatório oferece muito poucas. Como Patrizia Heidegger, diretora do Gabinete Europeu do Ambiente (EEB), disse na altura:

     "O momento de reflexão foi em 2015, quando a UE e os seus Estados-Membros subscreveram os ODS. Agora é o momento para compromissos ambiciosos [...] a UE tem uma das piores pegadas ambientais per capita do mundo, com os nossos estilos de vida insustentáveis baseados na exploração dos recursos e da mão-de-obra noutras partes do mundo. A economia do futuro precisa de ter em conta o impacto ambiental e social para além das nossas fronteiras, em vez de viver na ilusão de uma Europa hipocarbónica e eficiente em termos de recursos, que exporta uma produção intensiva em recursos para outras partes do mundo".

     

    E há outras preocupações mais próximas de nós. Embora o documento reitere que os ODS servirão de bússola para a futura estratégia, uma análise mais detalhada revela que, de facto, ficará, em grande parte, ao critério dos Estados-Membros a forma como estes serão implementados. Não haverá "nenhuma obrigação" dos governos nacionais, diz o relatório, acrescentando que, pelo contrário, estes terão "mais liberdade" para decidir "se e como ajustarão o seu trabalho" com base no plano. Dada a tendência dos governos de contornar as leis da UE - quanto mais as metas não vinculativas - não é certo que as medidas aqui delineadas sejam suficientes para enfrentar o desafio que se avizinha.

     

     O que significa isto para os agentes urbanos?

     

     À medida que as instituições nacionais e transnacionais se dividem quanto
    às suas respetivas responsabilidades, as cidades desempenharão um papel vital no eventual sucesso ou fracasso do objetivo do documento. Até 2050, 80% dos europeus viverão em áreas urbanas. Só este facto demonstra como a capacidade de adaptação e inovação das cidades irá determinar as tendências globais. A resposta da
    plataforma multi-stakeholder ao documento de reflexão enfatiza isso mais do que o próprio documento da comissão. Embora as instituições transnacionais tenham um papel vital na definição da estratégia, afirma, só as cidades têm as estruturas democráticas apropriadas para permitir que a mudança seja implementada de forma eficaz. Ao "reforçar cuidadosamente a participação dos habitantes" e "tendo em conta as especificidades territoriais, os padrões culturais e as expectativas", os atores urbanos podem, concluem, servir de catalisador para a mudança.

      

    O quadro geral, no entanto, está longe de ser cor-de-rosa. Na verdade, uma das conclusões mais preocupantes do documento de reflexão é a relativa falta de preparação das cidades para enfrentar os desafios que se avizinham. Os números são muito claros. Como a investigação associada revela, apenas 26% das cidades da UE e 40% das grandes cidades (aquelas com mais de 150 000 habitantes) têm planos de adaptação para o futuro, baseados em modelos sustentáveis. Sem uma enorme mudança, qualquer tentativa de implementar objetivos mais amplos, a nível transnacional, parece condenada ao fracasso. Poder-se-ia esperar um conjunto sólido de orientações da comissão que permitisse evitar um tal desastre. Mais uma vez, porém, as orientações são bastante limitadas. Embora o documento de reflexão dirija os agentes urbanos para as iniciativas existentes, como o Pacto de Autarcas para o Clima e a Energia, o Prémio Europeu do Desenvolvimento Sustentável e a Agenda Urbana para a UE, está longe de apresentar recomendações políticas mais estruturadas. Dada a escala da emergência que enfrentamos, a ausência de qualquer protocolo sistémico é, sem dúvida, uma deceção.

     

    O que deve ser feito?

     

    Ao longo de 2019, Greta Thunberg dominou a atualidade com o seu apelo franco e intransigente à ação contra a emergência climática. A sua mensagem, "a nossa casa está a arder", recorda-nos que nenhum de nós pode ficar parado. Como ela disse na altura num discurso, "Devemos mudar quase tudo nas nossas sociedades atuais [...] quanto maior for a sua pegada de carbono, maior será seu dever moral. Quanto maior for a sua plataforma, maior será a sua responsabilidade".

     

    Isto não foi apenas um chavão difundido através dos meios de comunicação social. Mas antes um apelo dirigido diretamente aos decisores políticos, incluindo os agentes urbanos. Da mesma forma que os cidadãos devem alterar os seus comportamentos, as cidades devem tomar a iniciativa. Tal não pode, contudo, significar simplesmente o respeito dos ODS e dos programas definidos pela comissão. Exige também a adoção espontânea de políticas inovadoras e sustentáveis.

     

     

    O URBACT está repleto de exemplos de cidades que foram além dos critérios identificados no documento de reflexão. A Rede de Transferência BioCanteens#2 é um desses exemplos. Ao implementar novos processos de triagem e incentivar os alimentos biológicos de origem local, a rede permitiu às escolas encontrar alternativas à produção industrial de alimentos. Para alguns participantes, isto resultou numa redução de 80% dos resíduos alimentares, sem custos adicionais para os municípios. Outro caso é o BeePathNet Reloaded, uma rede destinada a combater os danos à biodiversidade, incentivando a criação de abelhas. À medida que os números diminuem em todo o mundo, Ljubljana (SI) abriga agora 180 milhões de abelhas graças a esta iniciativa.

     

    A Comissão salienta acertadamente o papel que a tecnologia pode desempenhar na promoção de uma política de sustentabilidade. As ferramentas digitais, porém, não são uma solução milagrosa e não podem ser utilizadas como substitutos da organização comunitária. Cidades como Tallinn (EE) são bons exemplos de como deve ser o equilíbrio. Desde 1991, o município tem organizado uma campanha de limpeza de primavera anual com muito sucesso. Usando uma combinação de TV, cartazes, redes sociais, tem sido capaz de sincronizar uma vasta operação de "limpeza" por todos os distritos, combatendo a acumulação de lixo em toda a área urbana em questão. Uma iniciativa mais tecnológica, de alcance semelhante, é a plataforma multimédia Tropa Verde Santiago. Ao recompensar o comportamento ecologicamente consciente dos cidadãos com vouchers que podem ser trocados por recompensas reais, a cidade tem promovido com sucesso uma nova cultura de reciclagem.

     

    Estas são alterações simples que podem ser facilmente implementadas. A estratégia da UE continua a evoluir, mas as instituições precisam de ser impulsionadas, inclusive pelas cidades. No imediato, ainda há tempo para enviar à comissão comentários sobre o documento de reflexão, utilizando a plataforma Europe Direct.* Este é um bom princípio para garantir que as lacunas são comunicadas, bem como as ideias sobre prioridades políticas e sugestões úteis. De forma mais profunda, porém, o documento de reflexão revela a necessidade permanente de uma partilha orgânica de conhecimentos. Isto não significa reinventar a roda. Como mostram as redes URBACT, já existem projetos que estão apenas à espera de serem transferidos para outras cidades. A adaptação e partilha destes exemplos será certamente um bom começo na promoção de práticas sustentáveis a nível pan-Europeu.

     

    * Nota: já não se encontra disponível.

     

    O recentemente aprovado Programa URBACT IV (2021 -2027) presta especial atenção à sensibilização e capacitação de todos os atores do programa para melhor incluir questões transversais, tais como cidades verdes, transição digital e igualdade de género.

     

    Artigo escrito pelo jornalista Jamie McKay em maio de 2019.

    E novamente editado pelo URBACT em 13/10/2022.

  • Plano de Ação Integrado: Famalicão

    Share on FacebookShare on TwitterShare on LinkedIn
    Famalicao
    16/12/2022

    Parte do projeto Resourceful Cities prevê a criação, pelas cidades parceiras, de um Plano de Ação Integrado (Integrated Action Plan - IAP). A ideia por detrás deste plano é manter o movimento criado durante o projeto e elaborar planos para o futuro das atividades da economia circular local. Este é o IAP de Famalicão.

    From urbact
    Off

    As cidades e áreas urbanas têm uma responsabilidade acrescida nesta matéria. Estima-se que, até 2050, cerca de dois terços da população mundial viva numa cidade (Fundação Ellen MacArthur). A população urbana irá consumir cerca de 75% de todos os recursos naturais disponíveis, produzir aproximadamente 50% de todos os resíduos e representar 60% de todas as emissões de gases com efeito de estufa. Portanto, para ter as cidades envolvidas, nunca foi tão importante a introdução de mudanças positivas e escolhas mais sustentáveis nas suas respetivas comunidades.

    Famalicão tem procurado ativamente estimular o desenvolvimento de um modelo de economia circular através de uma abordagem multissetorial, promovendo ao mesmo tempo a implementação de novos projetos orientados para práticas de produção e consumo locais mais sustentáveis. A adesão à rede URBACT Resourceful Cities representa uma excelente oportunidade para repensar, planear e implementar uma estratégia integrada para a economia circular, permitindo ao mesmo tempo um acesso mais fácil aos conhecimentos relativos aos últimos desenvolvimentos sobre o tema e ao apoio de outras cidades parceiras.

     

    Foi criado um Plano de Ação Integrado para disponibilizar orientações para o futuro circular de Famalicão. Pode ler o IAP completo aqui.

     

    Texto da autoria de Amy Jansen, publicado a 25 de agosto de 2022

  • Guidelines for cities to evolve into a Bee Path City

    Share on FacebookShare on TwitterShare on LinkedIn
    15/12/2022

     

    XS guidelinesWe developed guidelines – tools for cities that would like to evolve into a Bee Path City. There is a short edition “Evolving into a Bee Path City” (issued in 2022) where we summarise all key aspects of our transfer journey. It is meant to encourage new cities to follow our steps and, hopefully, read the full version of the guidelines. With special support of URBACT it was translated into 12 languages.

     

    guidelinesFull guidelinesThe evolution steps toward a Bee-friendly city’” (issued in 2020) is a comprehensive almost five times thicker manual for urban authorities that would like to take action on sustainable environment and biodiversity management that is based on pollinator protection. It is available just in English.

     

    Ongoing
    Network
    From urbact
    Off

     

     

    In addition to Ljubljana’s (Slovenia) practice of urban beekeeping and its ‘Bee Path’ the full guidelines contain case studies and inspiring examples from five BeePathNet project partners cities (2018 – 2021; Amarante, Portugal; Bydgoszcz, Poland; Cesena, Italy; Hegyvidek, XII District of Budapest, Hungary and Nea Propontida, Greece). In the shortened pocket addition we added short information on activities of additional four BeePathNet Reloaded project partner cities (2021 – 2022; Bansko, Bulgaria; Bergamo, Italy; Osijek, Croatia and Sosnowiec, Poland).

    Guidelines:

    - Evolving into a Bee Path City – short guidelines (EN, SI, BG, DE, EL, ES, FR, HR, HU, IT, PL, PT)*

    - The evolution steps toward a Bee-friendly city’ - Full guidelines (EN)

    - Bee Path Cities Philosophy (EN, SI, BG, EL, FR, HR, HU, IT, PL, PT) 

    Comments: In addition to the English and Slovenian language version the short guidelines and the Bee Path Cities Philosophy will be available in several other EU languages by mid-December.

     

    If your city is seeking to understand, adapt and re-use the inspiring ‘Bee Path’ practice of Ljubljana (Slovenia) and other principles described in the guidelines, then the next step is for you to join the Bee Path Cities network. It was launched in October 2022 to continue the exchange and learning opportunities for cities beyond URBACT support. It is now open to all urban authorities in Europe and across the world. Find out more on www.urbact.eu/bees.